TIRE TODAS AS SUAS DÚVIDAS SOBRE CÂNCER DE MAMA EM PETS.

 

O câncer de mama em Pets é um dos temas mais abordados entre Tutores e Veterinários durante as consultas geriátricas, você sabia? A enfermidade atinge mais caninos do que felinos, é muito comum nas fêmeas e os machos de ambas as espécies raramente desenvolvem a doença.

Assim como nos seres humanos, temos como prevenir e tratar o câncer. Por isso, conversamos com a Dra Marina Coroa, especializada em Oncologia Veterinária, para tirar todas as suas dúvidas sobre a doença.

 

Quais os fatores de risco que favorecem o surgimento do Câncer de mama?

O câncer de mama, assim como outros tumores que podem acometer os Pets, não apresenta somente um fator responsável pelo seu desenvolvimento, e causas genéticas, ambientais e individuais estão envolvidas. Sabe-se no entanto que alguns fatores são particularmente importantes para o aparecimento do câncer de mama, e entre eles, o uso de anticoncepcionais tanto em cadelas quanto em gatas é um dos principais – mesmo uma única aplicação de anticoncepcional veterinário durante a vida toda pode ser o suficiente para ocasionar o câncer de mama.

Pacientes que apresentam gravidez psicológica recorrente (pseudociese recorrente, e aqui se destacam muito mais as pacientes caninas do que as felinas) são mais predispostas a desenvolver o câncer de mama, uma vez que o desbalanço hormonal destas pacientes durante o ano é constante.
Os sinais de gravidez psicológica são: aumento das mamas, produção de leite, adotar um objeto como sendo um filhote (ex. um ursinho de pelúcia, uma meia, um cobertor, uma almofada) e alterações de humor que variam entre prostração à irritabilidade / agressividade; a gravidez psicológica usualmente aparece cerca de 1 a 2 meses após o cio da paciente.

O Câncer de forma geral está associado a “erros” do nosso organismo, seja no momento em que acaba criando uma célula incorreta, seja no momento de não impedir e não destruir esta célula incorreta de aumentar e se multiplicar.

Pensando assim, temos que ter em mente que quanto mais senil (mais idoso, ou mais velho) é o nosso organismo, maior a chance dos erros acontecerem, pois a capacidade de regeneração e de guarda do organismo já não é mais a mesma de quando jovem.

Os pacientes idosos (cães e gatos acima de 7 a 8 anos de idade) merecem assim toda a nossa atenção, pois são muito mais predispostos ao desenvolvimento de tumores benignos e malignos, sendo o tumor maligno o câncer.

 

Como prevenir?

Na medicina veterinária já se tem bem estabelecida a capacidade de prevenir o câncer de mama com a realização da castração precoce.

A castração das fêmeas, tanto caninas quanto felinas, quando realizada antes do primeiro cio ou entre o primeiro e o segundo cio previne o câncer de mama na grande maioria das pacientes, e por isso, é recomendada para todas as fêmeas Pets que não apresentam o foco reprodutivo para seus tutores.

Além de prevenir o câncer de mama, a castração previne a infecção uterina (Piometra), doença extremamente comum entre cadelas e gatas e que necessita de tratamento cirúrgico emergencial.

Não se têm estudos suficientes na medicina veterinária comprovando a associação entre fêmeas que engravidaram e tiveram filhotes e a menor chance de ter câncer de mama, fato que já é bem estabelecido pela medicina humana para mulheres; não se pode assim, esperar prevenção do câncer de mama mesmo em cadelas e gatas que já tiveram crias.

 

Meu pet tem, e agora?

Os tumores mamários são facilmente palpados como “nódulos”, “bolinhas”, “caroços” ou “inchaços” na região das mamas – lembrando que cadelas e gatas apresentam de 4 a 5 pares de mamas, e toda esta região de tórax e abdômen é considerada região mamária.

Fazer carinhos na barriga dos pets, especialmente das fêmeas, acostumando-as com o toque na região mamária e também com a mama normal, é de extrema importância para que o tutor possa identificar qualquer alteração de forma precoce. Quanto mais cedo identificada a doença, maiores são as chances de cura.

O tratamento do câncer de mama, de forma geral, é cirúrgico – é necessária a retirada dos tumores e das glândulas mamárias afetadas. O envio deste tumor para realização de exame histopatológico (Biópsia) é imprescindível, e deve sempre ser realizado, mesmo que haja suspeita de nódulos benignos.

A partir do resultado deste exame histopatológico (biopsia), o Médico Veterinário com especialização em Oncologia Veterinária poderá instituir o melhor tratamento para a Paciente, seja ele somente cirúrgico ou cirúrgico associado à quimioterapia.

A resposta dos Pacientes à quimioterapia para o câncer de mama depende diretamente do grau do tumor e suas características individuais. Para as pacientes submetidas ao tratamento completo para o câncer de mama, há alto índice de sucesso com a quimioterapia, e baixos efeitos colaterais associados às sessões.

 

Quando antes diagnosticada a doença, maiores são as chances de tratamento do câncer de mama. Fique atento à saúde e bem-estar do seu pet, mantenha as vacinas em dia e o leve regularmente à consulta com o Veterinário.